“Ser muçulmana é ter fé em Deus único, é ser livre apesar de acharem que eu sou oprimida o tempo todo, por todo mundo”, entrevista com Sarah Ghuraba

Entrevista com Sarah Ghuraba, concedida a Silas Fiorotti, membro do Coletivo por uma Espiritualidade Libertária, em janeiro de 2017, dentro das atividades da Campanha Contra a Intolerância Religiosa (2017) e do projeto “Diversidade religiosa em sala de aula”. Esta entrevista foi publicada no primeiro número do informativo “Diálogos & Espiritualidade” (2017) que aborda a questão da intolerância religiosa.

Há quanto tempo você é muçulmana? O que é ser uma muçulmana para você?

Sou muçulmana há 5 anos. Ser muçulmana para mim é algo bem simples, é minha fé em Deus único, é ser livre apesar de acharem que eu sou oprimida o tempo todo, por todo mundo.

Você já sofreu algum tipo de preconceito por conta da sua fé?

Sim, várias vezes. [Em 2015, Sarah recebeu pedrada – leia relato abaixo.]

sarah.001

Você que atua na área da educação aqui em São Paulo, como percebe a intolerância religiosa se manifestando na educação? Essa intolerância religiosa vem acompanhada com outros preconceitos?

Olha é assustador, são todos os tipos de preconceitos que encontramos na escola, seja no segmento religioso quanto na orientação sexual. O problema maior a meu ver é como os docentes lidam (ou na maioria dos casos não lidam) com a situação. Alguns fortificam a intolerância pelo viés tradicional, outros dão uma camuflada, mas no geral alimentam as brincadeiras que julgam “saudáveis”. Logo o preconceito que é enraizado, continua muito firme e muito forte dentro do ambiente escolar. Vejo poucos professores preocupados efetivamente com isso, a discrepância é desleal.

Mesmo sendo evangélico, sei que nós evangélicos temos muita responsabilidade pela intolerância religiosa contra adeptos do islamismo. Muitos evangélicos têm dito que há um mal na própria religião islâmica. Você pode passar alguma mensagem aos evangélicos que não conhecem as vertentes islâmicas e seus adeptos?

Aprendi com o Teatro Mágico: “Onde sobra intolerância, falta inteligência”. Todos que têm intolerância, seja com o Islam ou com religiões de matriz africana, certamente não estudaram muito sobre tal referência. Não se deixar levar por orientação das pessoas que julgam-se acima da lei de Deus já é um bom começo. Buscar sempre o conhecimento, questionar tudo que é possível, mas não com seus próprios líderes religiosos. É bom que questione as coisas com as pessoas que seguem a religião, só assim você poderá, além de obter mais conhecimento sobre novas culturas, terá também seu próprio corpo de análise. Ser um bom fiel de qualquer religião significa respeitar seu próximo.

Suponho que você possua amigos e familiares que também são evangélicos. Agora no sentido de quebrar estereótipos, você pode citar algum aspecto que você considera positivo relacionado aos evangélicos?

Minhas tias são evangélicas, e temos um relacionamento agradável, elas sabem limitar o que vão dizer quando estão próximas a mim, tal como eu me limito no que dizer a elas, para não gerar confusão. Não brigamos por conta de religião, quando divergimos de algo, buscamos dialogar. Então vejo por parte delas que há sim como conviver muito bem uma ou mais religiões, porque há o RESPEITO.

Agradecemos por essa entrevista.

Eu agradeço imensamente o espaço, agradeço por trabalharem de forma tão limpa e clara na militância contra o preconceito. Que Allah Swt abençoe todos vocês. Que 2017 seja um ano de muita luz para todos nós. Assalamu Alaikum (Que a Paz de Deus estejam com vocês). Com carinho, Sarah Ghuraba.

sarah.002
Sarah Ghuraba é professora da educação básica. E-mail: jimvim@gmail.com.
* * * *
“A professora Sarah Ghubara, 27, recebeu uma pedrada a caminho de um posto de saúde na capital paulista, onde tinha consulta médica. ‘Quando passei por um terreno baldio, ouvi a voz de um homem me chamando de muçulmana maldita. Alhamdulillah [graças a Deus] a pedra pegou na minha perna. Pelo impacto, se tivesse pegado na cabeça, teria feito um estrago’.”
 (Anna Virginia Balloussier, Folha de São Paulo, 15/1/2015)

* * * *

O Coletivo por uma Espiritualidade Libertária (de São Paulo) aceita convites para palestras voltadas para jovens, estudantes, educadores e religiosos. Entre em contato conosco para levar alguma palestra para sua instituição, empresa, escola, igreja, grupo de jovens ou coletivo. Para saber mais sobre a Campanha Contra a Intolerância Religiosa, leia o texto “É preciso dizer não à intolerância religiosa no Brasil” de Amauri Alves e Silas Fiorotti. E para saber sobre o projeto “Diversidade religiosa em sala de aula”, leia o texto “Por que falar de religião em sala de aula?” de Silas Fiorotti.

Contato: espiritualidadelibertaria@gmail.com.

Enfrentando o preconceito como alternativa para a promoção da saúde (por Eugênia Zilioli Iost)

O trabalho da Atenção Básica de Saúde (Setor Público) no Brasil enfrenta vários desafios para promover uma população saudável. A UBS (Unidade Básica de Saúde) é a porta de entrada principal para os munícipes iniciarem as investigações das queixas físicas e mentais, aumentando com isso a complexidade no trabalho dos profissionais de saúde.

A visão que temos sobre a Saúde de uma população incide diretamente no processo de trabalho dos profissionais. De acordo com a linha teórica da Saúde Coletiva, os aspectos que podem influenciar no processo Saúde-Doença não são exclusivamente biológicos, a maneira como a sociedade se organiza, socialmente, economicamente e culturalmente, tem uma atuação potencialmente elevada no desenvolvimento das doenças.

Com base nessa teoria, a UBS Alpes do Jaraguá, no município de São Paulo, desenvolveu um projeto intitulado de “Alpes Diversidade”. Este projeto, pretende ampliar a visão de mundo dos profissionais de saúde e demais trabalhadores da Unidade (Segurança, Limpeza, Administrativo), sobre assuntos ligados aos direitos humanos. Em março de 2015, iniciamos rodas de conversa com todos os trabalhadores da UBS, sendo o primeiro tema “Racismo no Brasil”. O segundo tema deste projeto foi a “Intolerância Religiosa às religiões de matrizes africanas”.

Durante as rodas de conversa, contamos com um professor de filosofia que é líder no Candomblé e isso permitiu um aprofundamento sobre o assunto. Apresentamos também um documentário da ONU Brasil sobre o preconceito às religiões de matrizes africanas (ou religiões afro-brasileiras) no Brasil. Durante o debate, os participantes (principalmente cristãos), questionaram sobre os símbolos dessas religiões serem semelhantes à imagem do “demônio” e que se sentiam “mal” quando assistiam aos seus rituais. Estes apontamentos foram fundamentais para que a equipe condutora do Projeto pudesse esclarecer sobre as diferenças entre os símbolos religiosos e os seus significados nas religiões de matrizes africanas.

Foi possível também abordar sobre o modelo eurocêntrico, imposto ao Brasil desde a sua colonização e que o olhar sobre um culto religioso necessita de uma base cultural alinhada à religião específica.

Como gerente dessa UBS, pude observar que essas rodas de conversas, impulsionaram uma reflexão sobre os modelos e conceitos fundamentalistas da nossa sociedade, vários funcionários comentam que hoje estão vendo, por exemplo, as cotas raciais de outra maneira, pois entenderam que desde a libertação dos escravos esta foi a primeira ação de inclusão do negro no sistema de educação.

Esse projeto tem permitido evidenciar que é possível organizar um ambiente propício para a reflexão de temas inclusivos e que não importa onde estamos ou o que fazemos, o fundamental é sairmos da posição de expectadores e atuarmos como protagonistas das nossas vidas.

dsc_0050

Eugênia Zilioli Iost é gerente da UBS Alpes do Jaraguá, mestre em Enfermagem em Saúde Pública, e membro do Coletivo por uma Espiritualidade Libertária. E-mail: eugeniazilioli@yahoo.com.br.

* * * *

O Coletivo por uma Espiritualidade Libertária (de São Paulo) também aceita convites para palestras voltadas para jovens, estudantes, educadores e religiosos. Entre em contato conosco para levar alguma palestra para sua instituição, empresa, escola, igreja, grupo de jovens ou coletivo. Para saber mais sobre a Campanha Contra a Intolerância Religiosa, leia o texto “É preciso dizer não à intolerância religiosa no Brasil” de Amauri Alves e Silas Fiorotti. E para saber sobre o projeto “Diversidade religiosa em sala de aula”, leia o texto “Por que falar de religião em sala de aula?” de Silas Fiorotti.

Contato: espiritualidadelibertaria@gmail.com.

No dia 21 de janeiro, ocorreu o Ato de Combate à Intolerância Religiosa em São Paulo

No dia 21 de janeiro, ocorreu o Ato de Combate à Intolerância Religiosa, no Vão do MASP na cidade de São Paulo. Este ato ocorreu no Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa (21 de janeiro) e contou com a presença de representantes de diversos grupos religiosos e defensores dos direitos humanos.

Nós do Coletivo por uma Espiritualidade Libertária apoiamos e participamos dessa iniciativa com os cartazes da Campanha Contra a Intolerância Religiosa. Agradecemos a todos e todas que estiveram presente e que lutam contra a intolerância religiosa.

Partilhe também uma mensagem, partilhe uma foto, e utilize a hashtag #nãoàintolerânciareligiosa. Segue link com os cartazes da campanha.

Para saber mais sobre a Campanha Contra a Intolerância Religiosa, leia o texto “É preciso dizer não à intolerância religiosa no Brasil” de Amauri Alves e Silas Fiorotti. E para saber sobre o projeto “Diversidade religiosa em sala de aula”, leia o texto “Por que falar de religião em sala de aula?” de Silas Fiorotti.

Informações: espiritualidadelibertaria@gmail.com.

No dia 14 de janeiro, ocorreu o evento Garage Underground em São Paulo

No dia 14 de janeiro, ocorreu o evento Garage Underground na Igreja Evangélica Refúgio Moriah, na zona sul da cidade de São Paulo. Além da apresentação das bandas Terceiro Dia e Living Fire, e da exposição e distribuição de fanzines, houve um momento de diálogo sobre a intolerância religiosa no Brasil.

O Coletivo por uma Espiritualidade Libertária esteve presente no evento dialogando sobre o tema e divulgando a Campanha Contra a Intolerância Religiosa. Agradecemos os organizadores e todos os participantes que dialogaram conosco e estão dispostos a combater a intolerância religiosa no meio evangélico.

* * * *

Nós, do Coletivo por uma Espiritualidade Libertária, apoiamos todas as iniciativas de combate à intolerância religiosa. No mês de janeiro de 2017, por conta do Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa (dia 21), ocorrerão diversas atividades por todo o país.

Partilhe uma foto, partilhe uma mensagem, organize e/ou participe de alguma iniciativa contra a intolerância religiosa na sua cidade. Diga #nãoàintolerânciareligiosa!

2017_campanha-contra-int-rel-001

Para saber mais sobre a Campanha Contra a Intolerância Religiosa, leia o texto “É preciso dizer não à intolerância religiosa no Brasil” de Amauri Alves e Silas Fiorotti. E para saber sobre o projeto “Diversidade religiosa em sala de aula”, leia o texto “Por que falar de religião em sala de aula?” de Silas Fiorotti. Acompanhe também a Campanha Contra a Intolerância Religiosa no Facebook.

Informações: espiritualidadelibertaria@gmail.com.

No dia 08 de dezembro, ocorreu a II Feira dos Direitos Humanos, em São Paulo

No dia 08 de dezembro, ocorreu a II Feira dos Direitos Humanos promovida pela organização Conectas Direitos Humanos, aqui na cidade de São Paulo. Essa feira foi realizada em comemoração ao Dia Internacional dos Direitos Humanos (10 de dezembro).

O Coletivo por uma Espiritualidade Libertária esteve presente e apresentou o projeto “Diversidade religiosa em sala de aula”, assim como a “Campanha Contra a Intolerância Religiosa”.

2016-feira-conectas-001

Para saber sobre a “Campanha Contra a Intolerância Religiosa”, leia o texto “É preciso dizer não à intolerância religiosa no Brasil”, e para saber sobre o projeto “Diversidade religiosa em sala de aula”, leia o texto “Por que falar de religião em sala de aula?”.

Acompanhe também a “Campanha Contra a Intolerância Religiosa” no Facebook.

Contato: espiritualidadelibertaria@gmail.com.

II Feira dos Direitos Humanos (08/12/2016), em São Paulo

No dia 08 de dezembro (quinta-feira) a partir das 19h, ocorrerá a II Feira dos Direitos Humanos da organização Conectas Direitos Humanos, aqui na cidade de São Paulo. A feira contará com a exposição de 28 projetos relacionados à promoção da cidadania e dos direitos humanos e cerca de 100 participantes.

O evento será realizado em comemoração ao Dia Internacional dos Direitos Humanos, com o objetivo de divulgar e fortalecer a luta pela defesa dos direitos fundamentais através de um grande encontro entre pessoas que trabalham ou se interessam pela área.

O Coletivo por uma Espiritualidade Libertária foi selecionado para expor o projeto “Diversidade religiosa em sala de aula” e as ações da “Campanha Contra a Intolerância Religiosa”.

feira-conectas-el-001

A II Feira dos Direitos Humanos ocorrerá na sede da Conectas, localizada na Avenida Paulista, 575, Edifício Barão de Ouro Branco, 19º andar (próximo ao metrô Brigadeiro), São Paulo, SP. Informações: 11 3884 7440, comunicacao@conectas.org.

* * * *

Para saber sobre a “Campanha Contra a Intolerância Religiosa”, leia o texto “É preciso dizer não à intolerância religiosa no Brasil”, e para saber sobre o projeto “Diversidade religiosa em sala de aula”, leia o texto “Por que falar de religião em sala de aula?”.

Convide o Coletivo por uma Espiritualidade Libertária para ministrar uma oficina ou palestra na sua escola, organização ou instituição religiosa. Entre em contato conosco: espiritualidadelibertaria@gmail.com.

Chamada para textos – Revista Espiritualidade Libertária (n. 5)

Espiritualidade Libertária é uma revista publicada pelo Coletivo por uma Espiritualidade Libertária de São Paulo (ISSN 2177-4331).

Surgida em 2010, seus números são temáticos, abertos à pluralidade de interpretações para compreensão dos fenômenos socioculturais relacionados à espiritualidade. Cada número também contempla uma seção livre voltada para trabalhos que não estejam diretamente relacionados com o tema. Seu campo de interesse compreende temas relacionados com teologia, filosofia, antropologia e áreas afins. Como norma geral, os artigos científicos, ensaios e resenhas devem ser apresentados para avaliação prévia da Comissão Editorial e submetidos a pareceristas do Conselho Consultivo.

Aceitamos preferencialmente trabalhos inéditos nos seguintes formatos: artigo científico, ensaio, resenha de livro, texto traduzido, e entrevista.

Os textos devem ser enviados ao e-mail da revista (espiritualidadelibertaria@gmail.com) até o dia 31 de janeiro de 2017.

2016-chamada-revista-n5-001

Dossiê: “Liev Tolstói & espiritualidade” (responsável: Alysson Aquino)

Liev Nicolaievitch Tolstói (1828-1910) foi um grande romancista russo, internacionalmente conhecido pelos clássicos “Guerra e Paz” e “Anna Karienina”, entre outros. Foi rico, um filho da aristocracia, e casou-se com Sófia Sônia Andrêievna Bers (1844-1919), com quem permaneceu casado por 48 anos e teve 13 filhos. No final de sua vida, ele experimentou mudanças radicais em seu pensamento e em suas práticas. Nesse período, Tolstói refletiu sobre diversas temáticas como a natureza, a vida no campo, o militarismo, os valores sociais, mas em todas elas é possível observar a presença de um eixo articulador: uma compreensão libertária do cristianismo. Assim, Tolstói questionou a autoridade das igrejas, dos governos e a noção de propriedade privada em textos de grande repercussão como “O reino de Deus está em vós”, de 1893. Sua prática espiritual sugeria um cristianismo capaz de negar o Estado a partir da resistência pacífica e de transformações morais individuais de caráter radical. O pensamento de Tolstói incentivou militantes de vários países, incluindo anarquistas brasileiros. Além disso, a força intelectual de suas elaborações alcançou diversos círculos intelectuais por muitos anos após a sua morte, tornando-o responsável pelo aparecimento de outros pensadores vinculados a certa tradição de matriz anarquista cristã.

A partir desse quadro, esse dossiê busca colaborações que façam conexões, das mais diversas perspectivas, entre a vida e a obra desse autor e suas concepções místicas e espirituais. Além disso, o dossiê também busca incorporar diálogos que apresentem práticas políticas, resistências pacifistas, experimentações educativas e pedagógicas, ações naturistas e reflexões ecologistas que tenham suas concepções influenciadas por esse brilhante pensador que foi Tolstói.